• 22 de November de 2017
  • LANGUAGE:
    • English
    • Español
    • France
    • Chinese
ONDE IR? COMO IR? O QUE FAZER? COMECE A VIAJAR AQUI...

O QUE É NOTÍCIA

Cabeça de cordeiro assada! Vai encarar?

Cabeça de cordeiro assada! Vai encarar?

Por: Paulo Panayotis | São Paulo - Brasil Categoria: Colunista

Cabeça de cordeiro assada?? ... hum!!!

Aqueles olhinhos miúdos me observavam... olhavam para mim com perplexidade.
A cabeça, fumegante, estava acompanhada de legumes. Fumegantes também!
“Posso desossar ou vai comer inteira?” A pergunta foi repetida. Agora, com mais ênfase: “posso desossar...” Ah, pode desossar, respondi, saindo do transe. Estava em Marrakesh, no Marrocos. O relógio marcava 8 da noite. Pelas barracas espalhadas pela Praça Djeema El Fná, sons, risadas, fumaça, vida! Por terras bérberes(nômades que habitam as montanhas Atlas,no Marrocos), a cabeça de carneiro assada é um prato muito apreciado. Aliás, por todo o norte da África branca, carne, qualquer que seja, é muito valorizada. A preferência é sempre pelos cordeiros, aqueles com olhinhos miúdos mesmo! Prato forte, para fortes, foi devidamente apreciado. Desossado, tinha um sabor divino e uma textura prá lá de macia. Garanto: temperado com ervas aromáticas, se servido em um “réchaud” de prata,(travessa, no nosso popular)vocês comeriam de “lamber os dedos”. Mas estava em meio a uma praça pública.
Mais especificamente em uma barraca , como essas que servem sanduiches de pernil do lado de fora dos estádios brasileiros. Lá estava eu, prá cá de Marrakesh! Sentado em um banco de madeira, uma bancada, também de madeira, servia como uma espécie de mesa.
Ao centro da barraca, com dezenas de pessoas ao redor, o “mestre” destrinchava seguidas cabeças. Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, pensei eu... A Praça Djeema El Fná é secular. Todos os dias e, especialmente aos finais de semana, centenas de pessoas se reúnem ali para fazer o que o ser humano faz desde que surgiu na terra: comércio! No início era chamado de escambo, quando você troca aquilo que tem por aquilo que precisa. Hoje em dia você troca dinheiro mesmo por aquilo que precisa. Naquele instante, perdido em meus pensamentos , sentimentos  e aromas no meio do Marrocos, filosofei :
- O que diferencia o alto executivo do mais simples aborígene na hora de comer ?
E a resposta veio ligeira como a fumaça que me cercava: “A frescura!” Sim, pois ali, em Marrakesh, o costume pedia que se comesse com a mão direita, sem talheres. Em Nova York ou Milão, o costume exige que você use talheres, copos, guarda-napos, enfim, aquilo se se convencionou chamar de hábitos sociais. No fundo, no entanto, executivo ou aborígene estão se alimentando, ou não ?Tive o privilégio de conhecer, até hoje, mais de 50 países. Quero, antes de partir, conhecer ao menos outros tantos. Almoçar no Fauchon, em Paris, no Alain Ducasse, em Londres, ou em uma barraca no centro de Marrakesh é, antes de mais nada, fascinante. Tripas assadas na Grécia ou pé de porco “farci”(recheado) na França, são tão populares quanto na Ásia ou no Oriente Médio. O que muda, acreditem, é a frescura.
Frescura em servir, frescura em preparar, frescura em explicar: “É um prato requintadíssimo monsieur. Ficou cozinhando em vinho e especiarias por dois dias... veja como os ossinhos do pé de porco se soltam... delicicieux!”  Agora me diga: qual é a diferença entre os fidalgos europeus e os nômades africanos ? Acertaram: frescura!
Nesta semana, restaurantes de todo mundo estão em destaque no portal de vídeo turismo O Que Vi Pelo Mundo (www.oquevipelomundo.com.br) . Estas e outras dicas para viajantes destemidos e com estômagos de ferro, estarão lá. Todas dicas de quem já esteve nos lugares mais exóticos e desejados da terra. Todas dicas de mais de 19 colunistas espalhados por todo o mundo. Todas dicas para quem tem coragem de descobrir novos sabores, novas texturas, novas vidas(gastronômicas, claro). Voce vai saber  como vive uma Chef de cozinha Vegan(vegetariana) na terra dos hamburguers, nos EUA. Ou o que gosta de comer nosso colunista miriam, Matheus(10 anos e 10 países)quando esta viajando com os pais. Ou ainda como comer bem e ser mal atendido em Londres, capital da revolução industrial mundial.
Ah esses ingleses...Ah esses franceses... Ah esses Marroquinos!!! Bom apetit!
OBS : Coluna semanal publicada em 14 jornais na capital, baixada e interior paulista com média de 1 milhão de leitores por semana.
(JBA - http://www.netpaper.com.br/jbaonline/index.cfm?id=293)

GALERIA DE IMAGENS

CLIQUE PARA AMPLIAR AS IMAGENS